quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Só me diga a verdade

Por que você mente?

Não sabe o quanto dói?
Não te ensinaram que é errado?
Por que você mente?

Você deveria saber, 
Eu queria tanto acreditar.

Diga-me, por que você mente?

Você acha divertido,
ver alguém acreditar.
Você acha divertido?   

Só explica, por que você mente?

Como espera que alguém confie em você,
Como espera que alguém, de verdade, confie em você?   

Por favor, por que você mente?   

Mentir não vai fazer a sua mentira se tornar verdade.
Mas talvez todas as outras verdades se tornem mentiras.   

Pelos céus, por que você mente?

Você mesmo acredita no que você diz?
Nem você mesmo acredita no que você diz.

Seria bem melhor.
Eu queria tanto acreditar.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Só mais uma divagação sobre o amor

Algumas pessoas, como passar do tempo, colecionam desilusões. Os relacionamentos, seja lá com quem for, vão dando errado, há a perda, há o medo, o isolamento, e por fim, a solidão.

Estas pessoas então, perdem a fé na vida, desacreditam da coisa da qual ninguém jamais poderia duvidar: do amor. Elas simplesmente desistem, e o pior é que acham que finalmente encontraram a verdade. Estão erradas, pois o amor existe, seja lá o tipo de amor que eu esteja falando, seja ele entre um casal, entre pais e filhos, entre irmãos, entre amigos, tanto faz, ele existe.

O que pode acontecer, às vezes, é um grande efeito dominó: quando uma pessoa deixa de acreditar no amor, ela finge pra ela mesma que ele não existe, e por causa disso, não o transparece para o próximo, que vai acabar por desacreditar também.

Talvez esse sentimento, diferentemente do ódio, por exemplo, que é incontrolável, é opcional, você pode fingir que ele é uma invenção, uma desculpa pra  conseguir realizar os próprios interesses, ou você pode acreditar nele, e dissemina-lo, por que assim como a falta de fé no amor é contagiosa, o próprio amor é também.

Tem gente que diz que não ama por que sofre, e eu tenho uma opinião sobre isso: a gente não sofre por causa do amor, sofre pela falta dele. Sofre, porque não sabe o real sentido dele, sofre porque quer sofrer. Sim, porque quer.

Acho que todo mundo conhece aquela infeliz canção, “ninguém me ama, ninguém me quer, vou comer barata ♫” . Tem gente que faz disso o seu hino, e não faz nada pra mudar, porque se ninguém ‘tá nem aí comigo, é porque alguma coisa de errado tem.

Posso ser suspeito para falar coisas como as que eu escrevi aqui, como um romântico sem solução assumido, mas pense por você mesmo, como você quer viver sendo amado se você não acredita no sentimento pelo qual você espera?

Nunca desista do amor, por mais que pareça que ele tenha desistido de você. É meu palpite, meu conselho.

Eu amo. Eu acredito no amor. Eu sou feliz.

 

*texto dedicado à uma grande-grande amiga que mais do que nunca, precisa se lembrar do amor*

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Estar feliz

Rir mesmo ouvindo The Blower’s Daughter do Damien Rice.

Gargalhar mesmo quando se está levando bronca.

Viajar nos pensamentos quando se ouve uma notícia ruim.

Estar feliz.

 

Se preocupar sem perder o otimismo.

Ouvir provocações sem perder o humor.

Tentar ajudar os outros a sorrir.

Estar feliz.

 

Agüentar o calor sem reclamar.

Rir oceanos no Messenger com seu melhor amigo de infância.

Estar nas nuvens.

Estar feliz.

 

Não existe melhor sensação no mundo.

Estar feliz.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

O tempo

Tempo.

            Esses dias, cheguei a incrível conclusão que é, definitivamente, a palavra que eu mais odeio, ainda mais quando pertinho assim de alguns verbos como ‘passar’ ou ‘(não) parar’. Me dá realmente uma aflição amedrontadora. O tempo não é como um corpo lançado a tal velocidade em tal direção, e todas aquelas coisas físicas, que se pode calcular onde vai dar. Ninguém sabe onde o tempo vai parar, e o que ele vai fazer da gente!

            Injustiça né!?

            Talvez sim, talvez não. Assim como ler o pensamento alheio (como eu já disse num texto anterior), ver o futuro não deveria ser muito legal, acho que se perderia um pouco de capacidade de escolha, e principalmente a esperança.

            Quanto à velocidade do tempo, é tudo tão relativo! Tem dias que parecem que passam tão depressa enquanto uns não acabam nunca! Não tem como controlar...

            Ou tem?

            Sinceramente, não sei, mas sei que tem como fazer o tempo, seja ele lento ou rápido, valer a pena.

            Pode ser um pouco hipócrita de a minha parte falar isso, já que ninguém reclama mais de tédio do que eu, mas quanto mais se reclama de tédio, e sinal que mais tempo está sendo desperdiçado, e ele não volta. Faz parte da responsabilidade de cada um de nós gastar cada segundo como ele deve ser gasto.

            O tempo é implacável.

            Tempo. 

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Contradição bipolar em relação ao texto anterior.

É, saber que o ultimo poema que eu postei é dramático, emo, suicida, trágico, e tudo mais, eu sei, e pode acreditar, era tudo que eu estava sentindo no momento.

Mas, porém, contudo, entretanto, admito também que não foi o jeito certo de me expressar, já que o vazio que eu sinto não faz contribuição a ninguém.
Pode até fazer, mas eu quero dizer que não faz.

Quero dizer, também, que jogar truco e assistir tanta televisão fez meu cérebro parar de pensar negativamente um pouco, e eu, no momento, estou contradizendo o que eu escrevi.

 

Os dias não são em vão, nenhum.
Nunca é demais respirar.

O jogo só acaba quando você morre.

 

Eu durmo quanto quiser dormir.
Como se eu quiser comer.
E posso muito bem me aquecer sozinho.

Ah, água mata sim a sede.

 

Olhares se perdem como se ganham, indiferentes.
Histórias são sempre histórias, não importa se lidas.
Eu não sou errado. Ninguém é.

 

Se eu estou tonto, é falta de exercício físico.
Se eu me sinto fraco, é por não comer direito.
Se eu não consigo falar, é por que estou afônico, da gripe.

Se eu estou mal, não preciso explicar, preciso só de um abraço.

 

Viver NUNCA é um erro.

E a dor as vezes pode ser a solução.

Quanto a resolução final, nada a declarar.

 

E sabe o que mais? Dane-se o vazio.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Fatos

 

Mais um dia se passa.
Desperdiçado.
Mais um suspiro dado.
Gasto.
Mais um jogo jogado.
Perdido.

Estou com sono mas não consigo dormir;
Tenho fome mas não consigo comer;
Tenho frio mas nada me aquece;
tenho sede, mas lágrimas não se bebem.

Mais um olhar lançado,
Perdido.
Mais uma história contada,
Não lida.
Mais uma pessoa errada,
Eu.

Estou tonto mas não posso me deitar;
Mes sinto fraco e não consigo respirar;
Estou fechado e não consigo falar;
Estou mal e não sei como explicar.

Mais um erro cometido,
Viver.
Mais um problema sentido,
Dor.
Mais uma solução possível,
Você.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Às vezes é preciso, no mínimo, olhar para o céu.

Não só na frente da televisão, onde é óbvio, mas algumas vezes não parece que o cérebro trava? Falha de alguma forma?

Para cada ser humano parece que há um pacote de preocupações, com direito a etiquetinha com o nome (por que geralmente não são transferíveis), que varia de tamanho, geralmente com a idade, mas que sempre tem o mesmo peso, e não adianta ir aliviando pelo caminho, por que sempre, mas eu digo sempre mesmo, vão sendo acrescentados novos problemas ao pacote.

Todo esse peso às vezes faz com que a gente fique com o humor afetado, sabe, a gente reclama de tudo e de todos. Reclama da vida. Talvez, me arrisco a dizer, e por experiência própria, todas essas preocupações e esse mau-humor ajudam para que nosso cérebro falhe. E quando eu digo cérebro, não falo apenas da capacidade de raciocínio, que é claramente afetada, mas da criatividade e da inteligência emocional!

A gente não tem como se livrar das preocupações, mas tem como ver as coisas de um outro modo, lembrar que apesar do peso do pacote, que atrapalha, claro, a caminhada, tem coisas acontecendo a nossa volta que podem fazer com que esqueçamos, pelo menos um pouco, os problemas.

Pessoas.

            Paisagens.

            Músicas.

            Sorrisos.

            Para as coisas voltarem a funcionar, às vezes é preciso, no mínimo, olhar para o céu.

 

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Frase sobre a saudade

A distância às vezes só serve pra provar como é bom estar por perto!

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Mudança

Nada muda o tempo todo,
tudo permanece.
Não as mesmas pessoas,
mas tudo permanece.
Não os mesmos fatos,
mas tudo permanece.
Não os mesmos lugares,
mas tudo permanece.
E permanece porque?
Por que nós não mudamos.

Às vezes, até tentamos
Às vezes, até crescemos.
mas não mudamos.
Não mudamos.
Amamos outras pessoas,
mas não mudamos.
Outras pessoas nos amam,
mas não mudamos.

Os outros que mudam a gente.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Saudades

Alguns dias se resumem em pessoas;
outros, se resumem na falta que essas pessoas fazem.
Alguns momentos são gravados pra sempre;
outros, só servem para se lembrar dos anteriores.
Alguns segundos duram pra eternidade;
mesmo que segundos depois não existam mais.
Algumas coisas apenas fazem falta;
outras não.
À essas outras cabe o título de pedaços que,
quando ausentes, deixam vazio.
Deixam dor.
Enfim, deixam saudades.

Melodia da Alma

Existem muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo. Agora, enquanto escrevo, por exemplo, milhares de outras situações podem estar ocorrendo.

            Podem não. Estão.

            Algumas eu posso ver, sentir, como a música que toca, as nuvens se movendo lá fora, o Sol descendo em direção ao horizonte, meu coração batendo.

            Outras, eu posso saber depois, de alguma forma, se me for contado, ou por sempre acontecer, mas que não estou presente, como sei que existem muitas pessoas andando de volta para suas casas, ou seguindo para seu destino.

            Mas há ainda aquelas coisas que se passam agora, e eu nunca vou saber. Uma dessas coisas é o pensamento de cada amigo meu, de cada pessoa que eu conheço, ou de quem eu mesmo nunca vi.

            Ler o pensamento sempre foi um sonho do ser humano, que cria sempre personagens que ouvem o que se passa na mente de outras pessoas, mas, feliz ou infelizmente, não é real.

            Nunca vamos saber o que alguém realmente pensa, mesmo que pareça pelo seu modo de agir. Algumas pessoas interpretam, ou simplesmente escondem o que tem dentro de si. Não condeno ninguém por isso, mas às vezes, pode ser prejudicial pra quem esconde e pra quem precisa saber.

            Se pudesse adivinhar o que cada pessoa pensa, tudo seria muito chato e deprimente, já que muitas vezes você não é visto como você acha que é visto. Você pode pensar que é amado, e não é. Você pode achar que importa, mas não importa. Você pode achar que é verdade, e é mentira.

            Cada um sabe da melodia que toca na alma, e não é bom que se cante outra, pois uma hora ou outra, o coração vai cantar mais alto.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Lua Nova

O sol se põe e tudo escurece.
Cada pessoa faz sua prece.
Ver se a lua, de repente, aparece.
Mas que nada. 

A lua funciona bem,
em suas fases, seu vai e vem,
mas ninguém se contenta com o que tem.
Ninguém quer lua escura. 

Sem a lua o escuro é frio de inverno.
Preferíamos todos até o inferno.
Quem sabe lá o calor é mais terno.
Revolta. 

Mas é bom que a raiva passe,
seria bom se o tempo voasse,
Hoje a lua não mostra a brilhante face.
Quem vota em ir dormir?
 

Alguém lá na multidão,
Faz força pra erguer sua mão,
Gagueja, mas diz “Não!
Prefiro admirar as estrelas.”

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Só um fato bizarro.

Nem todas as pessoas pelas quais você morreria se dariam ao trabalho de ir ao seu enterro.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Frase (retardada) feita durante o banho:

            A vida é como um copo de refrigerante de uma loja de fast food qualquer: com muito gelo (interprete como quiser), fica com gosto de água, e quanto mais perto do fim, mais rápido passa.

Complexo de Superioridade

Ser quem você é.

            Como você pode ser quem se é de verdade quando olha ao seu redor e vê pessoas tão supostamente melhores?

            Às vezes, nossos talentos parecem tão pequenos perto dos outros que parecem não existir. Ou nos fazem desistir antes mesmo de tentar.
            Todos nós passamos por isso. Sempre vai haver alguém com dons que não depende só do seu esforço para ter.

           

Sempre vai ter alguém mais rápido que você.
            Sempre vai ter alguém que tira melhores notas que você.

            Sempre vai ter alguém que canta melhor do que você.

            Sempre vai ter alguém com mais amigos que você.
            Sempre vai ter alguém com todas essas qualidades a mais que você.

           

            Mas aí vem um fato que se custa a acreditar: estas pessoas não são melhores que você. E só serão quando você fingir ser alguém que não é realmente.

            Quando uma pessoa dá o máximo de seus talentos, mesmo esses parecendo menores em relação a de outros, esta pessoa é a melhor.

            Ser a melhor não significa ser melhor que os outros, mas ser o melhor que você pode ser.

            É um clichê, mas atire a primeira pedra (em si mesmo, obviamente) quem disser que não concorda.

            Deixar de lado o complexo de inferioridade e.

            Ser quem você é.

Corra, estude, cante, faça amigos, e lembre-se: ame um pouco a si mesmo. Ajuda.

Só um desabafo sobre violência.

"Quando eu crescer vou ser policial, é só matar o ladrão."

Meu priminho de quatro anos é um amor! Curto e grosso. Estúpido também, mas não nego, sincero.

Matar o ladrão. Seria realmente bem prático, assim como eu faço com os pernilongos.

Caço.

Mato.

Rio da morte deles (que me perdoem os protetores dos animais, mas ô bichinho irritante).

Não quero falar sobre pena de morte, mesmo por que nem eu tenho uma opinião formada sobre isso, mas que porcaria de mundo é esse em que um pirralho com menos de um quarto da minha idade chega e me diz: "É só matar o ladrão"?

Pelo menos ele não é o ladrão.

Ainda.

Espera ele descobrir esses jogos violentos e politicamente incorretos para computadores. Afinal, eles fazem tanto sucesso!

Expliquem-me, oh vocês seres humanos cultos: Pra quê? Pra que se vestir de branco no ano novo, pedir paz, mas pregar a violência desse jeito? Me diz, que sentido faz um apresentador de um programa de TV medíocre (daqueles sensacionalistas que só apresentam sangue, morte, sangue, morte, sabe?) se sentir orgulhoso por que um pai manda um e-mail elogiando o programa e dizendo que "meu filho de cinco anos não perde um dia"?

O ser humano se adaptou à violência, infelizmente. Isso me irrita, profundamente.

Quem sabe da próxima vez eu escreva sobre coisas menos desagradáveis como...

Pernilongos!