domingo, 19 de abril de 2009

Só mais uma história de amor eterno

Os dedos entrelaçados,
Os sorrisos desconfiados,
Olhares apaixonados,
Momentos são relembrados.

Todo tempo que passou,
Toda dor que já sarou,
Nem a morte desbotou
Um amor que perdurou.

Ela enxuga seu rosto
Então assume seu posto
Onde sempre estaria
Por ele, tudo faria.

“Até que a morte os separe” era uma mentira.

Ao seu lado, no caixão,
Repousava o coração
Aliança em sua mão
No choro, uma canção.

A canção que já cantavam
Quando jovens, se olhavam,
E as rugas não denunciavam
O que, por dentro, pensavam.

“Até que a morte os separe” era uma mentira.
Muito mal-contada.

2 comentários:

  1. u.a.u.
    meudeus ex, você arrasa na poesia *-*
    super exemplo,um dia "poemo" como você ^^

    você surpreende cada vez mais, esse texto está belíssimo.
    amei mesmo *-*

    ResponderExcluir
  2. Que ritmo, que musicalidade, que poema magnífico :D

    ResponderExcluir