quinta-feira, 11 de junho de 2009

Quando gelo e fogo se misturam, é água que escorre depois do conflito.

Olha o que acontece comigo!
E me entenda!
Me explique, porque eu já não consigo.
Um sentimento sem nome,
Uma ferida sem cura,
Uma dor que consome,
Onde não se procura.
Na alegria, guardada
Uma tristeza impregnada
Se revela sem aviso
A alma arrasada
E a cara amarrotada.
A chaga escancarada,
Que não quer sumir.

Segundos atrás, me afogava em sorrisos.
O que acontece...
Não sei, eu caio em meus abismos.
Um sentimento sem nome,
Uma ferida sem solução.
Uma dúvida que não dorme.
Um rosto sem expressão.
Eu queria entender
A minha capacidade
De me esquecer
Da felicidade
Que vivi há três segundos!
A voracidade
Da minha alma e seus dois mundos.

4 comentários:

  1. será possível que todos os ótimos/excelentes poetas tem que ter algum problema? tipo bipolaridade? não é justo que os normais não possam fazer poesias perfeitas.

    ResponderExcluir
  2. Seus poemas ficam cada vez mais refinados e com mais qualidade. É, pessoas normais não dão bons escritores.

    ResponderExcluir