terça-feira, 31 de agosto de 2010

O Olho


Abra os olhos e me olhe de perto.
Há tanta escuridão que mal posso enxergar.
Eu vejo detalhes da sua íris, certo.
É de um marrom que não consigo explicar.

Cada um tem sua melancolia.
Dos olhos se ouve a melodia.
Da vida que você leva.
Da vida que você leva.

Se sorri, a sobrancelha abaixa.
Mas se chora, não é amigável a contração.
Se você ama, guarda os olhos numa caixa.
Mas se odeia, quem fica cego é o coração.

Cada um tem uma história.
Olhar de dor e de vitória.
Da vida que você leva.
Da vida que você leva.

Dos olhos se vê a alma.
Se demonstra preocupação.
Dos olhos se sente a vida.
Se compõe uma canção.

Cada um tem sua melancolia.
Cada olhar tem sua poesia.
Cada ruga tem uma história.
Do poder ou da escória.

Cada um tem sua melancolia.
E dos olhos.
Dos olhos se ouve a melodia.

Da vida que você leva.
Da vida que você leva.

3 comentários:

  1. Cadê seus poemas alegres, cadê?
    Lindo, mesmo assim. <3

    ResponderExcluir
  2. "Cada olhar tem sua poesia"
    Amei isso!
    Parabéns, mais uma vez...!

    ResponderExcluir
  3. Poemas alegres?? Existe isso? Ninguém me contou...
    haha xD
    Otsukare-sama deshita

    ResponderExcluir