sábado, 19 de fevereiro de 2011

Vigésima Quinta Hora


É a vigésima quinta hora, a noite mais profunda.
Nenhum outro dia te permite uma coisa assim.
É invenção do homem e essa sua mente imunda.
Limitar e calcular o tempo, sem começo, sem fim.

O céu não tem estrelas, estão todas encobertas.
Em compensação, a lua está lá, brilhando.
Ela está cheia e eu em baixo das cobertas.
Esse é meu próprio fantasma gritando.

Eu levanto, respiro, e abro a porta.
Só pra garantir que minha alma não tá morta.

Eu ignoro as minhas roupas, respiro, e saio correndo.
Só pra não sentir o meu espírito morrendo.

E eu corro em direção à lua.
Pisando descalço no asfalto da rua.
Eu corro em direção à lua.

Eu tropeço algumas vezes, caio, machuco meu joelho
Eu realmente não ligo, só preciso correr.
Eu deixo pra trás minha cama, o conforto e o espelho.
Deixo pra trás o eu que precisa morrer.

Eu esqueço, eu respiro, eu tento a sorte.
Porque o brilho vai me deixar mais forte.

Eu choro, eu grito, eu estou contra o vento.
Eu uivo, eu quero que escutem meu lamento.

Eu corro em direção à lua.
Pisando apressado no asfalto da rua.
Eu corro em direção à lua.

É a vigésima quinta hora, a noite mais profunda.
Nenhum outro dia te permite coisa assim.
E de todas as armadilhas da minha mente imunda
Uma corrida atrás de um brilho sem fim.

O céu não tem estrelas, estão todas encobertas.
E a lua continua lá, linda, vivendo.
Ela está cheia e eu em baixo das cobertas.
Mas a minha alma continua correndo.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Desvestir


Parece que nada dá certo e seu mundo é infelicidade.
Não tem ninguém por perto e você odeia essa verdade.
De que nenhuma alma viva parece gostar de você.
Seus pais não te dão atenção, você odeia a faculdade,
Seu namorado não liga, você quer fugir dessa cidade.
Só se importam com seu rosto, não com merecer.

Você se sente fraco. Você se sente mal.
Infeliz, jogado, e totalmente sem sal.
Então eu digo: não se sinta como tal.
Dispa-se.

Tire todo o peso, diga tudo o que você sente.
Dispa-se.
Jogue fora o ódio que os OUTROS sentem.
Dispa-se.
Jogue fora a sujeira, a dor e a tristeza.
Dispa-se.
Tire a roupa, seja você.

Você só se envolve com idiotas, ah, maldade.
Gente que te trai mas está sempre exigindo lealdade.
Você não precisa deles, só você não vê.
Você é diferente e por causa disso a crueldade.
Você é um inútil que não merece a amizade.
E todos te tratam como um bebê.

Você se sente fraco. Você se sente mal.
Infeliz, jogado, e totalmente sem sal.
Então eu digo: não se sinta como tal.
Dispa-se.

Tire todo o peso, grite tudo o que você sente.
Dispa-se.
Jogue fora pra ódio que VOCÊ está sentindo.
Dispa-se.
Se livre da sujeira, da dor e da tristeza.
Dispa-se.
Tire a roupa, seja você.

Não há motivo pra deixar de sorrir.
Existe alguém que te ama de verdade.
Você é perfeito do jeito que você é.
Não há motivos pra desistir.
Liberte-se de toda essa maldade.
Perca as roupas mas nunca a fé.

Tire todo o peso, grite tudo o que você sente.
Dispa-se.
Jogue fora pra ódio que VOCÊ está sentindo.
Dispa-se.
Se livre da sujeira, da dor e da tristeza.
Dispa-se.
Tire a roupa, seja você.

Tire a roupa, seja você.